Aricanduva

No século XVII, o riacho Aricanduva já era mencionado, assim como um arrabalde da cidade de São Paulo de nome igual. A origem do Aricanduva data de aproximadamente os anos de 1902 e 1905, mas foi desenvolvido por imigrantes portugueses a partir da década de 1940.

Toda a área era uma grande fazenda de Luis Americano, dono de muitas terras, e do Parque do Carmo. Ele repassou parte das terras para o então Governador do Estado, Ademar de Barros, que as retalhou em lotes e chácaras e criou uma empresa de loteamentos chamada Aricanduva[2].

A abertura do trecho leste da Radial Leste aproximou o bairro do centro da cidade e, em 1976, a construção da Avenida Aricanduva sobre o leito do córrego homônimo impulsionou o contínuo desenvolvimento do distrito.

O Aricanduva é conhecido pelo rio e pela avenida de mesmo nome. Antes das intervenções da Subprefeitura Aricanduva nos córregos e nas ruas para a prevenção de inundações, a região, principalmente as áreas lindeiras ao rio, era bastante afetada pelas chuvas de verão, causando desvalorização imobiliária. O perfil do casario é misto, ou seja, apresenta residências para as classes baixa, principalmente na divisa com a Subprefeitura de Sapopemba e distritos de Cidade Líder e São Matheus; enquanto o perfil médio e médio-alto se concentra nos bairros de Jardim Aricanduva, Vila Antonieta, Jardim Vila Formosa e Vila Carrão, já próximos aos distritos de Vila Formosa e Vila Carrão.